Legitimidade Política

 

Não tenho falado de política, simplesmente porque acho que diante de fatos não há argumentos. Contudo, conversei com um amigo próximo que me interpelou o porquê de eu não postar mais nada sobre política… Eu respondi o que disse acima e acrescentei que antes das eleições fiz campanha para quem eu imagina ser o candidato melhor; e dado o resultado do pleito e os escândalos diários veiculados na mídia, eu não tinha mais o que dizer, ao menos por enquanto.
Para meu espanto, pois este é um amigo que eu considero “consciente” apesar das divergências partidárias, ele fez a afirmação que doeu aos meus ouvidos:
Que bom que pelo menos você aceita o resultado “legítimo” das eleições!

Espera um pouco! Disse eu. Uma coisa é aceitar o resultado homologado pelo TSE, outra é achar que é legítimo!

Minha primeira pergunta, para não fugir da minha metodologia particular é: O que é Legitimidade?

Pois bem vamos aos resultados:

“Legitimidade é um termo utilizado em Teoria Geral do Direito, em Ciência Política e em Filosofia Política que define a qualidade de uma norma (em Teoria Geral do Direito) ou de um governo (Teoria Geral do Estado) ser conforme a um mandato legal, à Justiça, à Razão ou a qualquer outro mandato ético-legal.”

Habermas diz que: “A fé na legalidade só pode criar legitimidade se se supõe de antemão a legitimidade da ordem jurídica que determina o que é legal”.

“Assim, Habermas busca um fundamento para tal legitimidade e afirma que este fundamento seria a existência de uma moral convencional que, por determinar normas prévias, gerais e vinculantes para todos, possibilitam o surgimento de um poder político que possa justificar a sua autoridade coercitiva. Assim, a fundamentação da autoridade do direito se daria devido a este entrelaçamento entre direito e moral.”

Exposto alguns fundamentos com relação ao que é Legitimidade entendo que diante dos fatos que vem sendo, sucessivamente expostos, o governo pode ser até Legal, mas Legítimo, não creio.

Isso não se aplica somente a esfera federal, não! Em minha profissão acabamos de ter um processo eleitoral cheio de falhas legais e mesmo assim houve a homologação de seu resultado. Ou seja pode ser Legal, mas não legítimo!

Os leitores podem estar se perguntando porque digo não não acredito em legitimidade. Simples! Determinado partido é acusado de ter recebido, no mínimo U$ 200 milhões, através de processos escusos e fraudulentos. Se aconteceu, o mesmo se beneficiou da “máquina” e criou um poder financeiro e de influências praticamente imbatível para qualquer concorrente que jogue de forma adequada. Logo, até que se prove que as acusações são falsas, na opinião deste que vos escreve, NÃO HÁ LEGITIMIDADE!
#lascasblog

Léo Fonseca

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *